Menu

Notícia Capixaba - Navegação

Home Alfredo Chaves Geral

Geral


Ministério Público de Contas pede revogação de decisões que autorizaram Alfredo Chaves e Alto Rio Novo a descumprirem mínimo em educação

 

15.09.2021

 

 

Foto: Divulgação

 

Redação

 

O Ministério Público de Contas (MPC) interpôs agravos (tipo de recurso) pedindo a revogação imediata das decisões do Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCE-ES) que autorizaram os municípios de Alfredo Chaves e Alto Rio Novo a obterem do governo do Estado a certidão de transferência voluntária de recursos estaduais mesmo descumprindo a aplicação do índice mínimo constitucional de 25% das receitas de impostos em educação.

 

Na avaliação do MPC, as cautelares concedidas pelo Tribunal de Contas permitiram flexibilização ilegal da legislação, que resulta em prejuízo à educação dos municípios de Alfredo Chaves e Alto Rio Novo. Além disso, entende que não ficaram comprovados os requisitos para a concessão das medidas de urgência: o receio de grave ofensa ao interesse público; e o perigo da demora para aguardar uma decisão final do processo.

 

Investimentos

 

O TCE-ES acatou as alegações dos prefeitos dessas cidades de que a pandemia teria feito recuar os investimentos básicos em educação e, por conseguinte, afetado o cumprimento do índice constitucional, bem como autorizou a supressão da exigência da aplicação de 25% na manutenção e desenvolvimento do ensino para que esses municípios pudessem obter do governo do Estado a certidão de transferência voluntária de recursos estaduais.

 

Os argumentos dos prefeitos de Alfredo Chaves e Alto Rio Novo, assim como os apresentados pelos gestores dos municípios de Dores do Rio Preto, Guarapari e Mimoso do Sul – todos com cautelares questionadas pelo MPC -, são de que os investimentos em educação foram reduzidos pelo corte de despesas regulares, como transporte, água e energia, principalmente em razão da suspensão de atividades presenciais por um período da pandemia.

 

O órgão ministerial rechaça essas alegações, tendo em vista a constante necessidade de aplicação de valores no aprimoramento do acesso às aulas e às ferramentas digitais por parte de alunos e professores, nas ações de contenção da evasão escolar e nos projetos de aperfeiçoamento do ensino a distância, cita pesquisas que demonstram as dificuldades de acesso à internet, bem como o aumento da evasão escolar durante a pandemia no Espírito Santo, cenário em que considera ser inadmissível que qualquer ente federativo deixe de aplicar o mínimo constitucional de 25% em educação.

 

Por isso, o MPC contesta as cautelares concedidas aos municípios de Alfredo Chaves (Processo 3388/2021) e Alto Rio Novo (Processo 3341/2021), por entender que as medidas são ilegais e irrazoáveis, assim como estariam beneficiando os municípios em detrimento da valorização da educação local, e pede que seja mantida a exigência estabelecida na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para a realização de transferência voluntária, no que diz respeito à comprovação do cumprimento dos limites constitucionais relativos à educação.

 

Confira as peças iniciais dos agravos do MPC referentes a Alfredo Chaves e Alto Rio Novo

 

Processo 4423/2021 Processo 4422/2021

 

 

 

 

 

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site, e nos reservamos o direito de excluir. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

 

Comentários Facebook


Agora ficou mais fácil para você leitor,
sugerir pautas e interagir com o jornal.

 

  (28) 99938-5959

  noticiacapixabaes@gmail.com

  noticiacapixaba@noticiacapixaba.com

  redacao@noticiacapixaba.com

 

Siga-nos no Facebook!

Notícia Capixaba

 

O Portal Notícia Capixaba é campeão de acessos no segmento de portais de notícias regionais e se esforça para atender o cidadão com o que há de mais profissional em informação.

 

© Notícia Capixaba. Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web